Florida Review Magazine

Magazine, Brasileiros nos EUA, Florida, Moda, Beleza, Imóveis, Turismo, Artes

Opinião

Estados Unidos, seguir ou desistir?

Por Evandro Fascina

evandro@kravitzlaw.com

Em cada conversa acontecem as mesmas perguntas: “É bom morar nos Estados Unidos? Valeu a pena ir morar aí? Vocês pretendem ficar?” E a resposta também é sempre a mesma: “É claro que sim! Não tem comparação com nenhum outro lugar do mundo que eu conheci.”

E eu já viajei para mais de 50 países, de todos os continentes, e de fato considero que a minha escolha foi altamente segura. Logo em seguida, as perguntas são em relação aos rendimentos: “É fácil empreender? Será que tem trabalho pra nós? Como eu preciso me organizar para ficar um tempo aí até ganhar em dólar?” A minha resposta nessa hora é sempre muito cautelosa: “Depende das suas habilidades, é muito relativo. Mas considero que a principal seja a de se reinventar, sair da zona de conforto e ao mesmo tempo não querer inventar a roda nesse país que já tem quase tudo pronto, e bem explorado.”

Eu não posso me comprometer ou sequer prever o futuro financeiro de terceiros e muito menos incentivar a imigração. Mas de fato para as pessoas que produziram no Brasil, eu não vejo dificuldades em produzirem aqui. Inclusive, com baixíssimo investimento, pois aqui os serviços são muito bem valorizados e podem ser uma ótima alternativa de empreendimento.

A minha recomendação, por ordem de importância, é de investir no seu processo imigratório, fazer um seguro para garantir a segurança da família em qualquer hipótese, estudar inglês e entender a cultura americana, porque só o tempo e as experiências vão trazer uma amplitude sobre o que vivemos aqui. O restante vem aos poucos, através do relacionamento e das habilidades de cada um.

O futuro daqui não necessariamente depende do desempenho no Brasil, mas certamente as formações acadêmicas e os trabalhos experimentados ao longo da vida serão importantes na escolha e no sucesso da próxima atividade.

O mais confortável é poder sobreviver um ou dois anos sem produzir, mas obviamente não é um privilégio de todos. Por isso, vem outra recomendação: “Se você pensa em morar nos Estados Unidos, considere aprender inglês e enviar recursos pra cá. Dolarize o seu patrimônio, ou pelo menos parte dele, aos poucos.” Na pior das hipóteses será um excelente negócio, só a valorização da moeda americana já supera qualquer outro tipo de análise financeira e demonstra que os ganhos aqui são incomparáveis com o Brasil.

Ainda, é imprescindível entrar na América pela porta da frente, alicerçado pela assessoria e acompanhamento de empresas que há décadas fazem isso, nada de dar chance aos amadorismos e oportunistas, que na maioria das vezes, destroem o sonho das famílias.

Os bons profissionais que vão te receber aqui, que vão te ajudar nos procedimentos de mudança de país, possivelmente serão os mesmos que vão te apresentar as oportunidades que podem gerar o seu rendimento. De imediato, invista apenas no que é seguro, não invente e nem seja audacioso, pois ainda não será momento pra isso, aliás mantenha-se longe dos riscos. A chance de tombo é iminente.

O que aprendi até agora como empreendedor, é que a prestação de serviços pode ser um bom negócio, seja para a comunidade brasileira ou americana. Dessa forma, você começa a rentabilizar sem precisar investir muito, amplia a sua rede de relacionamentos e com isso fica com o seu dinheiro guardado. Deixe ele protegido, não entregue a ninguém, nem mesmo na melhor proposta. Ainda não é hora! Aqui ganha quem tem paciência!

A compra da casa, do automóvel, os estudos, a dolarização do patrimônio, o seguro de vida e o plano obrigatório de saúde, esses sim, podem valer a pena imediatamente, esses validam o investimento, mas fora isso, deixe para o segundo ano de América para decidir sobre os investimentos mais significativos. O imigrante vencedor é aquele que se legaliza nos Estados Unidos, protege a sua família e protege o seu dinheiro, pois haverá logo aí na frente, momento pra tudo.

Para aqueles que sonham em imigrar, não basta fazer visto de turista e comprar passagem. Crie um planejamento junto com a sua família, estruture os seus próximos passos. Lembre-se de que você pode jogar e ter bons resultados nos Estados Unidos mas aqui o campeonato é de primeira divisão e não serve para amadores.  Aproprie-se das informações corretas e gratuitas da USA Global Institute, agende uma conversa e faça tudo com muita segurança, aí sim, é claro que vale a pena seguir!

*Os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião da Florida Review Magazine

**Se você deseja enviar artigos para a nossa newsletter, ela é gratuita. Você pode enviar um email para editor@floridareview.com


In each conversation, the same questions arise: “Is it good to live in the United States? Was it worth it to live there? Do you intend to stay?”. And the answer is also always the same: “Of course, yes! There is no comparison with any other place in the world that I have known”.

And I have already traveled to more than 50 countries, from all continents, and in fact, I consider that my choice was highly safe. Right after that, the questions are concerning income: “Is it easy to undertake? Does it have work for us? How do I need to organize myself to stay there until I earn in dollars?” My answer at that time is always very cautious: “It depends on your skills, it is very relative. But I believe that the main one is to reinvent yourself, to leave the comfort zone and at the same time not want to invent the wheel in this country that already has almost everything ready, and well-explored”.

I cannot commit to or even predict the financial future of others, much less encourage immigration. But, for the people who produced in Brazil, I don’t see any difficulties in producing here. Even with very low investment, because here the services are very well valued and can be a great alternative for an enterprise.

My recommendation, in order of importance, is to invest in your immigration process, take out insurance to guarantee the safety of the family in any case, study English and understand American culture, because only time and experiences will bring an amplitude about what we live here. The rest comes gradually, through the relationship and skills of each one.

The future here does not necessarily depend on performance in Brazil, but certainly, the academic training and the work experienced throughout life will be important in the choice and success of the next activity.

The most comfortable thing is to be able to survive a year or two without producing, but it is not a privilege for everyone. So, another recommendation comes: “If you are thinking of living in the United States, consider learning English and sending resources here. Dollarize your heritage, or at least part of it, gradually”. In the worst case, it will be an excellent deal, only the appreciation of the American currency already surpasses any other type of financial analysis and demonstrates that the gains here are incomparable with Brazil.

Still, it is essential to enter America through the front door, based on the advice and monitoring of companies that have been doing this for decades, nothing to give a chance to amateurism and opportunists, who, most of the time, destroy families’ dreams.

The good professionals who will welcome you here, who will help you with the country change procedures, will possibly be the same ones who will present you with the opportunities that can generate your income. Immediately, invest only in what is safe, do not invent or be audacious, as it will not be time for that stay away from risks. The chance of falling is imminent.

What I have learned so far as an entrepreneur is that the provision of services can be a good deal, whether for the Brazilian or American community. That way, you start to monetize without having to invest a lot, expand your network of relationships, and with that, you keep your money saved. Leave it protected, don’t give it to anyone, not even in the best proposal. It is not time yet! Here, whoever has patience wins!

The purchase of the house, the car, the studies, the dollarization of the assets, the life insurance, and the mandatory health plan, these can be worth it immediately, these validate the investment, but otherwise, leave it for the second year America to decide on the most significant investments. The winning immigrant is the one who legalizes in the United States, protects his family, and protects his money, as there will be just ahead, time for everything.

For those who dream of immigrating, it is not enough to make a tourist visa and buy a ticket. Create a plan with your family, structure your next steps. Remember that you can play and have good results in the United States but here the championship is first division and is not for amateurs. Take ownership of the correct and free information from the USA Global Institute, schedule a conversation and do everything safely, then yes, of course, it is worth following!

* Signed articles do not necessarily reflect the opinion of Florida Review Magazine

**If you would like to send us articles for our newsletter, it is free. You can email us at editor@floridareview.com

Comment here

X