Florida Review Magazine

Magazine, Brasileiros nos EUA, Florida, Moda, Beleza, Imóveis, Turismo, Artes

Opinião

Grupos no Whatsapp

Por Gabriela Streb gabistreb@brturbo.com.br
Gabriela Streb

Por Gabriela Streb

advgabrielastreb@gmail.com

 

Desconheço quem faça parte do whatsapp e não tenha, no mínimo, a participação em uns cinco grupos. Eu mesma tenho alguns grupos que só eu participo.

Montei, com meu número e o celular do escritório, depois tirei todos os membros e fiquei com o grupo apenas para mim: Tenho grupos, apenas com meu número, de receitas, maquiagem, moda, compras no mercado e assuntos gerais. Achando alguma matéria ou dica desses assuntos, coloco nos meus grupos solitários e ali fica armazenado para pesquisa.

Talvez o pavor de alguns – tipo eu – é quando vem aquela frase, depois de um encontro de amigos: “vamos montar um grupo!”. Daí, surge aquele problema de que alguns estão no novo grupo e outros não.

E, quando tu colocas uma informação ou mera bobagem, acaba repetindo e alguns integrantes recebem umas quatro ou cinco vezes a mesma coisa. Se alguém reclama, educadamente, eu já vou dizendo que é para ter certeza que tu vais receber a informação. Fazer o quê?! Faz parte.

Certa vez, me disseram que não se exclui ninguém de um grupo. É falta de educação. Para evitar e contornar isso, você cria outro grupo, sem a participação do pretenso excluído. Haja nomes de grupos para tudo isso.

Sem dizer quando tu passas algum vídeo impróprio para determinado grupo. Atire a primeira pedra quem já não fez. E eu fiz! E fiz uma besteira tão grande, que depois que passei o vídeo impróprio a um grupo de trabalho, diga-se de passagem, com inúmeras autoridades da Segurança Pública, pensei em chegar na reunião de óculos escuros, peruca e chapéu. Como não fiz isso, comecei a reunião dizendo “gostaria de pedir uma pá ao mediador, para eu abrir um buraco e me enterrar.”

Alguém acha que só homem manda vídeo bagaceiro aos amigos? Nada disso. Mulher também manda! Naquela situação, recebi inúmeras manifestações de integrantes femininas, que foram solidárias ao vídeo e ao ocorrido. Vai o conselho da experiência: “Nunca mexa no whatsapp sem óculos, em meia luz e talvez depois de um vinho. Certo que vai dar problema.”

 

*Os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião da Florida Review Magazine

**Se você deseja enviar artigos para a nossa newsletter, ela é gratuita. Você pode enviar um email para editor@floridareview.com


 

Groups on Whatsapp

By Gabriela Streb

advgabrielastreb@gmail.com

I do not know who is part of WhatsApp and does not have, at least, participation in about five groups. I have some groups that only I participate in.

I set up, with my number and cell phone in the office, then I removed all the members and stayed with the group just for me: I have groups, with only my number, of recipes, makeup, fashion, shopping at the market, and general matters. Finding some material or tip on these subjects, I put it in my solitary groups, and it is stored there for research.

Perhaps the dread of some – like me – is when that phrase comes, after a meeting of friends: “let’s start a group!”. Hence, the problem arises that some are in the new group, and others are not.

And, when you put information or mere nonsense, it ends up repeating, and some members receive four or five times the same thing. If someone complains politely, I will say that it is to make sure that you will receive the information. Do what?! It’s part of it.

I was once told that no one is excluded from a group. It is impolite. To avoid and get around this, you create another group, without the participation of the alleged excluded. There are group names for all of this.

Without saying, when you play an inappropriate video for a specific group. Throw the first stone which hasn’t already. And I did! And I made such a big mistake, that after I passed the inappropriate video to a working group, by the way, with countless Public Security officials, I thought of arriving at the meeting in sunglasses, wig, and hat. As I did not do this, I started the session by saying, “I would like to ask the mediator for a shovel, so I can open a hole and bury myself.”

Does anyone think that only men send messy videos to friends? Nothing like that. The woman also rules! In that situation, I received numerous statements from female members, who were supportive of the video and what happened. Here is the advice of the experiment: “Never touch WhatsApp without glasses, in the half-light and maybe after a wine. It sure will be a problem.”

 

* Signed articles do not necessarily reflect the opinion of Florida Review Magazine

** If you want to send articles to our newsletter, it is free. You can send an email to editor@floridareview.com

Comment here

X