Florida Review Magazine

Magazine, Brasileiros nos EUA, Florida, Moda, Beleza, Imóveis, Turismo, Artes

Opinião

Não parece, mas incomoda

Por Gabriela Streb gabistreb@brturbo.com.br
Gabriela Streb

Por Gabriela Streb

advgabrielastreb@gmail.com

Um daqueles grupos de WhatsApp, que participo, é do condomínio onde moro. Aliás são dois grupos: um para avisos e informações, e outro mais light, que permite qualquer tipo de escrita, desde o empréstimo de uma vaga de estacionamento, a post de brincadeira.

A proibição, mesmo que velada, é para manifestações políticas ou futebolísticas. Nesses dois grupos, de uma forma muito educada, nossa Síndica mandou uma circular, cujo título foi: “não parece, mas incomoda”. A pandemia trouxe o resguardo e atividades dentro de casa, que outrora não eram frequentes ou sequer existiam.

Em fevereiro deste ano, se escutava que estaria chegando uma tal de pandemia, vinda da Ásia. O conceito e significado desta palavra foi aos quatro ventos divulgado, debatido e ratificado. Ficamos presos dentro de casa com o slogan: “fique em casa”, e a ideia de que coisas feitas na rua, viessem a ser feitas dentro de casa.

Trabalho, estudo, diversão, ginástica, dança, são alguns exemplos. O primeiro reflexo disso foi o aumento de energia, água e gás. Eu mesma fui parar na Ouvidoria do fornecedor de gás para questionar meu aumento. Então, apareceu o tal cartaz: “não parece, mas incomoda”. A gente acha que, porque está dentro de sua própria casa, que ficar pulando, fazendo ginástica ao som da Sandy e Júnior: “vamos pular… vamos pular… ” e não dá em nada. Que o vizinho debaixo está na mesma sintonia dos meus pulos e não vai se incomodar.

Não ficávamos em casa: era do trabalho para casa e vice-versa. Se já era difícil conhecer quem morava ao lado, impossível quem estava abaixo ou acima das nossa cabeças. E, às vezes, os vizinhos são idosos ou têm um bebê. Que equação mais difícil nestes tempos!

De um lado, especialistas dizendo que se mantenha a estima alta, se arrume, não fique desleixado de pijama o dia todo. Coloque música, vá ler, arrume os armários. De outro, arraste os móveis delicadamente, faça ginástica sem barulho, cante baixinho ou só fazendo mímica e dance com sapatilhas de plumas. Observe e respeite os horários de silêncio.

Não estou reclamando da Síndica, acho que ela está coberta de razão. Porque, viver em condomínio, não é nada fácil. E lembretes como este é o exemplo educado de que a gente precisa estar constantemente vigilante, porque a tendência é relaxar. Igual a não esquecer da máscara e do álcool gel todo dia.

 

*Os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião da Florida Review Magazine

**Se você deseja enviar artigos para a nossa newsletter, ela é gratuita. Você pode enviar um email para editor@floridareview.com

 


 

It doesn’t seem, but it bothers

By Gabriela Streb

advgabrielastreb@gmail.com

One of those WhatsApp groups, which I participate, is from the condominium where I live. There are two groups: one for warnings and information, and the other is lighter, which allows any type of writing, from the loan of a parking space to an oke post.

The ban, even if veiled, is for political or football demonstrations. In these two groups, in a very polite way, our Property manager sent a circular, whose title was: “it doesn’t seem, but it bothers.” The pandemic brought protection and activities inside the home, which were not frequent or even existed in the past.

In February of this year, it was heard that a pandemic coming from Asia was coming. The concept and meaning of this word were made known, debated, and ratified. We were stuck inside the house with the slogan: “stay at home,” and the idea that things done on the street would be done inside the house.

Work, study, fun, gymnastics, dance are some examples. The first reflection of this was the increase in energy, water, and gas. I went to the gas supplier’s Ombudsman to question my addition. Then, the poster appeared: “it doesn’t seem, but it bothers.” We think that, because it is inside your own home, that you keep jumping, doing gymnastics to the sound of Sandy and Júnior: “let’s jump … let’s jump …” and nothing comes of it that the neighbor below is in tune with my jumps and won’t be bothered.

We didn’t stay at home: it was work from home and vice versa. Suppose it was already difficult to know who lived next door, impossible who was below or above our heads. And sometimes, the neighbors are elderly or have a baby. What a more complicated equation these days!

On the one hand, experts saying keep your esteem high, get dressed, don’t be sloppy in your pajamas all day. Put on music, go read, fix the cabinets. On the other hand, drag the furniture gently, do gymnastics without noise, sing softly, or just miming and dance with down shoes. Observe and respect the times of silence.

I’m not complaining about the Property Manager. I think she’s right. Because living in a condominium is not easy. And reminders like this are the polite example that we need to be constantly vigilant because the tendency is to relax like not forgetting the mask and alcohol gel every day.

* Signed articles do not necessarily reflect the opinion of Florida Review Magazine

** If you want to send articles to our newsletter, it is free. You can send an email to editor@floridareview.com

Comment here

X